Exposição Homens e Ratos – Mezanino na Galeria Aura Arte – 15/7

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Sobre Homens e Ratos: Exposição vai abordar o atual cenário político e econômico do Brasil por meio de 20 trabalhos de 14 artistas

Sobre Homens e Ratos: A Galeria Aura Arte hospeda pela primeira vez uma exposição da Galeria Mezanino. Sob curadoria de Renato De Cara, a mostra Sobre Homens & Ratos abre dia 15 de julho. “Essa é a primeira edição do novo projeto que estamos desenvolvendo na Aura, possibilitando que outras instituições e agentes também tenham acesso ao nosso espaço para realizar ações. A ideia é compartilhar o espaço da galeria para movimentar diferentes formas de pensar e fazer arte. Começamos agora esse projeto e estamos abertos a outras propostas de ocupação da galeria”, explica a diretora Bruna Bailune.

Os 20 trabalhos de 14 artistas com diferentes linguagens foram selecionados de maneira a promover a reflexão sobre os problemas políticos e sociais que o país enfrenta. A necessidade de dar voz ao atual cenário de crise do Brasil acontece em virtude da situação de imprevisibilidade em que estamos imersos. “Uma exposição relâmpago e oportuna, na urgência dos nossos dias”, define o curador Renato De Cara.

Vídeos, performances, objetos, fotografias, pinturas e gravuras são algumas das manifestações artísticas que serão apresentadas durante o mês de julho. Entre os artistas convidados estão Biba Rigo, Diógenes Moura, Felipe Cidade, Francisco Maringelli, Giselle Beiguelman e Nelson Brissac, Leo Sombra, Luanna Jimenes, Ludgero Almeida, Lula Ricardi, Paulo Whitaker, Pio Figueiroa, Renata Melo e Reynaldo Candia.

Sobre os artistas:

Biba Rigo – Artista plástica, educadora e sócia fundadora do Ateliê Funilaria e Pintura. Dedica-se à pintura, xilogravura e serigrafia. Participou de exposições coletivas como “Ocupação” no Paço das artes, “Paisagens Gráficas”, “Volumen Cuba”, entre outras.

Diógenes Moura – Escritor, jornalista, roteirista, editor e curador de fotografia. Foi eleito o Melhor Curador de Fotografia do Brasil pelo Sixpix/Fotosite, em 2009. No ano seguinte, recebeu o prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte de melhor livro de contos/crônicas com “Ficção Interrompida – Uma Caixa de Curtas” (Ateliê Editorial). Em 2012, foi curador de mostras importantes como “Andy Warhol – Superfície” (Museu da Imagem e do Som São Paulo), “Interior Profundo – Mestre Júlio Santos” (Pinacoteca do Estado de São Paulo), “Dos Filhos Desse Solo?” exposição que representou o Brasil no PHOTOIMAGEM 2012, na República Dominicana (MAM – Santo Domingo), e “O Mais Parecido Possível – O Retrato” (Pinacoteca do Estado de São Paulo). Em 2013, realizou a curadoria/edição da mostra “Busca-me”, de Boris Kossoy.

Felipe Cidade – Bacharel em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Em sua prática artística, estabelece uma relação da entropia dentro do âmbito social, reunindo fatores históricos e reconfigurando signos encontrados na sociedade. Com uma poética que nasce a partir de observações cotidianas, da reflexão e problematização do presente, em conjunto a um passado que insiste em reaparecer nostálgico dentro do dia a dia, suas obras afastam-se de meros ativismos ao problematizar tudo que envolve as atitudes vistas como políticas, permitindo a ressignificação de feitos banais. As certezas já ditadas pelo passado, quando transferidas aos questionamentos do artista, se vêm como mitos oriundos de feitos marcantes da história, abrindo espaço para a dúvida.

Francisco Maringelli – Formado em Artes Plásticas pela ECA/USP e em Arquitetura pela FAU/USP, frequentou o Ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall/SP. Com uma extensa e sofisticada pesquisa em gravura, Maringelli também produz pinturas, desenhos e esculturas. As diferentes mídias reverberam entre si, formando um universo poético particular onde o traço e o gesto do artista estão sempre presentes. A pintura apresenta características advindas da construção da gravura. E as esculturas, com tônus semelhante e expressivo, remetendo a artistas como Giacometti e Iberê Camargo.

Giselle Beiguelman – Artista, curadora e professora associada da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Pioneira no campo da arte digital e no uso da internet e de redes móveis para intervenções artísticas.  Sua prática artística e intelectual se baseia em uma abordagem crítica das mídias digitais e de seus sistemas de informação. Seu trabalho inclui intervenções em espaços públicos, projetos em rede e aplicações para dispositivos móveis, exibidos internacionalmente nos principais museus de arte e mídia, centros de pesquisa e espaços de arte contemporânea, como ZKM (Karlsruhe, Alemanha), Gallery@Calit2 (UCSD, EUA) e Bienal de São Paulo. Foi curadora de “Tecnofagias” e é autora de vários livros e artigos sobre o nomadismo contemporâneo e as práticas de cultura digital.

Nelson Brissac – Filósofo trabalhando com questões relativas à arte e ao urbanismo, é o organizador e curador de Arte/Cidade (www.artecidade.org.br), um projeto de intervenções urbanas em São Paulo, desde 1994. Nos últimos anos, vem se dedicando a projetos que envolvem localidades “fora do eixo” nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo, bem como na Alemanha.

Leo Sombra – Em 2006, fez um curso profissionalizante na ONG ImageMagica, onde, por falta de recursos, começou a fotografar no formato pinhole, construindo câmeras sem lentes e ampliando imagens com papéis fotográficos vencidos. Documenta a cidade de São Paulo e seu entorno, assim como indivíduos colocados à periferia da sociedade como portadoras de deficiência visual, usuários de crack e moradores de rua. Incorporando o acaso e os ruídos oriundos do processo artesanal que utiliza para fotografar, Sombra desenvolveu uma imagética intrigante e expressiva que em certos momentos, nos remete a um universo estético como o de Miroslav Tichy, cheio de ruídos e impurezas.

Luanna Jimenes – Formada em artes cênicas na UNICAMP (2003), em danças brasileiras no curso de formação do bailarino Antonio Nóbrega, no Instituo Brincante (2006), e em dança contemporânea no Centro em Movimento em Lisboa, Portugal (2013). Atuou em espetáculos de teatro e seriados na televisão. Desde 2008, atua no núcleo de performances da Galeria Mezanino, criando proposições para a dança em espaços específicos. (performace 15/7 e 5/8)

Ludgero Almeida – Licenciado em Artes Plásticas, na linha de Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal. Entre 2011 e 2012, recebeu bolsa de estudos do Programa Erasmus, com intercâmbio na Faculdade de Belas Artes da Universidade Politécnica de Valência, Espanha.

Lula Ricardi – Artista visual e fotógrafo, nasceu e vive em São Paulo. Formado em arquitetura e urbanismo, desenvolve suas pesquisas em colagens, objetos, gravuras digitais, desenhos e fotografia.

Paulo Whitaker – Pintor e desenhista. Forma-se em educação artística na Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina – Udesc/SC, em 1984. Participa de diversas exposições, entre elas, as 20ª e 25ª edições da Bienal Internacional de São Paulo, em 1989 e 2002. No final da década de 1980, aparecem em seus desenhos e pinturas, linhas simples, massas coloridas de contornos irregulares, formas curvilíneas e geométricas sobre um fundo monocromático. Na produção de suas colagens, utiliza desenhos feitos por ele mesmo em outros períodos, criando um diálogo entre o atual e o anterior.

Pio Figueiroa – É fotógrafo e diretor de cena, iniciou sua carreira no fotojornalismo em Recife, cidade onde nasceu. Fundador do coletivo Cia de Foto (2003/2013), seus trabalhos integraram mostras importantes como “Ver do Meio”, no Instituto Tomie Ohtake (SP, 2015); “Carnaval”, no Wexner Center (Ohio, EUA, 2014); “Marcha”, no Masp (SP, 2013); “Agora”, no Museu Berardo (Lisboa, 2012). Sua pesquisa se pauta por uma estratégia com um forte traço do repertório adquirido no fotojornalismo, mas que se expressa no campo da arte. Sua atuação nos últimos 10 anos, serviu de parâmetro para uma grande revisão que foi feita na fotografia brasileira. É editor da Revista Latino Americana de fotografia Sueño de La Razón e editor do blog Icônica.

Renata Melo – É bailarina, coreógrafa, atriz, diretora e fundadora do grupo de dança Marzipan. Também realiza preparação corporal para teatro e ópera e curadoria em dança. Dirigiu espetáculos como “Slices of Life”, “Receba as flores”, “Domésticas”, “Bonita Lampião”, “Passatempo” e “Pessoas ao sol”, tendo atuado em todos eles. No Núcleo de Dança Oswaldiano, da Oficina Cultural Oswald de Andrade, da Secretaria de Cultura de São Paulo, dirigiu “Fui, vim, voltei”, baseado na vida e obra de Oswald de Andrade. Ainda na direção, destacam-se “Boteco”, para a Escola de Arte Dramática – ECA/USP; “Turistas e refugiados”, com Carlos Moreno; “Quem nunca”, para o Núcleo Experimental do Sesi; e “Simpatia”, de José Rubens Siqueira, com Xuxa Lopes e Leandra Leal. Atuou, ainda, no monólogo “A caixa”, de Patrícia Melo, dirigido por Bete Coelho. Pela sua obra, Renata recebeu os prêmios APCA, Mambembe, Shell e Molière. (performace 15/7 e 5/8)

Reynaldo Candia – Formou-se em Artes Visuais e Comunicação visual. Realizou cursos no MASP e Tomie Ohtake e foi assistente de Marcia Xavier em seu ateliê. No seu trabalho, usa objetos em acúmulos ou camadas, passando por fotografia, colagem, instalações e pintura.

Sobre a Galeria Aura Arte:

É referência quando o assunto é arte contemporânea. Criada em abril de 2015, a Aura Arte tem como objetivo divulgar a produção artística nacional e auxiliar na formação de coleções que falem sobre o nosso tempo.

Atualmente, divide-se em duas frentes: a galeria em São Paulo, que realiza exposições de seus artistas representados, e a plataforma on-line (www.aura.art.br), cujo objetivo é divulgar de maneira mais ampla e democrática a produção de jovens artistas brasileiros.

A Aura também atua na criação e execução de diversos projetos artísticos. Desde a sua criação, realizou quatorze mostras entre Porto Alegre e São Paulo – além de ter participado de feiras de arte e apoiado projetos expositivos. Foi indicada ao IX Prêmio Açorianos de Artes Plásticas (2015), na categoria Destaque em Espaço Institucional, Público ou Privado, de Divulgação Artística em Porto Alegre/RS.

Sobre a Galeria Mezanino:

Surgiu em 2006 no mercado de arte contemporânea, cruzando linguagens e proporcionando inclusão e discussão. Seu diretor Renato De Cara, com mais de trinta anos de experiência, tem produzido e criado imagens e eventos como editor, artista e curador, com um olhar para o que não é óbvio ou convencional. Em maio de 2017, Renato assumiu um novo modelo de negócio. Trata-se de uma estrutura mais dinâmica, em Pinheiros, na qual o curador atende às novas demandas para aquisições do acervo, orientação de carreira ou desenvolvimento de projetos.

Serviço:

Sobre Homens e Ratos

Galeria Aura Arte: Rua Wisard, 397, Vila Madalena, São Paulo, SP

Vernissage Sobre Homens e Ratos: dia 15/07, das 11h às 16h

Exposição Sobre Homens e Ratos: de 18/07 até 05/08

Horário de funcionamento: terça a sábado, das 14h às 19h

Site: www.aura.art.br

@aura.art.br

homens e ratos

(Imagem de: divulgação)

**Compartilhe com seus top amigos**

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 0 Flares ×